PL 549 recebe parecer contrário do Deputado Pepe Vargas, relator da proposta

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram

 

O PL 549/09, que estabelece novos limites para despesas da União com servidores públicos e que, na prática, pode congelar salários até 2019 recebeu, no dia 16/09, parecer contrário à sua aprovação do deputado Pepe Vargas (PT-RS), relator da proposta na Comissão de Finanças e Tributação da Câmara.

  O projeto, que já foi aprovado no Senado, limita o aumento da despesa com pessoal, até 2019, à reposição da inflação, mais 2,5% ou a taxa de crescimento do PIB, o que for menor.

É a segunda vez que o projeto é rejeitado na comissão. Na primeira, o parecer foi da ex-deputada Luciana Genro (PSol-RS), então relatora. Mas, como ela não se reelegeu, acabou descartado ao fim do seu mandato. Quando passou pela Comissão de Trabalho da Câmara, o projeto, que é defendido pelo governo federal, foi rejeitado por unanimidade em 12 de maio de 2010.

O deputado Pepe Vargas, deu um parecer contrário quanto ao mérito do projeto, mas o considera admissível quanto ao aspecto orçamentário: “(…) a matéria tratada pela proposição possui caráter exclusivamente normativo sem gerar despesas para a União. O projeto propõe alterações materiais na lei complementar, em aspectos diversos dos tratados nas leis do ciclo orçamentário. Assim, quanto à admissibilidade orçamentária-financeira, o projeto é considerado adequado e compatível”, diz trecho inicial do voto do relator, que prossegue com a enumeração de aspectos negativos da proposta que levam à defesa de sua rejeição.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

Cartão do Dia dos Aposentados

Feliz Dia dos Aposentados

O Sindsef-SP parabeniza os aposentados e as aposentadas pelo seu dia e reafirma seu compromisso na luta por paridade entre ativos, aposentados e pensionistas, pelo cumprimento do Estatuto do Idoso, contra os ataques à previdência e pela recomposição salarial.

Crítica: filme Noites de Paris

Nesta crítica, saiba sobre o filme Noites de Paris, que se passa em 1981. No ano de eleições, comemorações se espalham pelas ruas e há um ar de esperança e mudança.