Pós-parto

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram

Pós-parto

Abaixa o dedo…

Não levanta teu olho julgador

Se eu digo envergonhada que esse filho não é meu…

Você não é capaz de medir ou carregar minha dor.

Saiu de mim, mas era outro que eu esperava…

O meu foi desejado, planejado, amado…

Esse daí é outro, abandonado coitado, o pai foi embora…

Não, não foi esse o combinado, vc disse que queria, que sonhava, me pedia…olha ele aqui!

Não vira as costas, é sua cria…

Você disse que queria…

Pra onde vamos? Dois injetados… Não cabemos mais no sonho de viver uma família…

Vem, mamar aqui… mas com cuidado, o leite pode estar talhado da mágoa que vivi…

Aos poucos eu te olho, te reconheço, vou me afastando desse abismo

Sorri banguela e pede peito o tempo todo, como se o amor fosse líquido…

Me perdoar foi tão difícil,

Te enxergar abençoado,

Meu fruto tão amado, te encontrar foi redenção

Te amar sem medo, te ter comigo, hoje é a luz do meu sorriso

Levado, decidido, alegre e gênioso

Meu chamego tão dengoso

Faço sua minha sina, estar contigo em cada esquina, cada ponte que atravessar

Não tenha medo, nem seja tão apressado

És meu filho desejado do jeitinho que sonhei

Sheila Dezen

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

Věra Chytilová e a Nouvelle Vague Tcheca – Parte 2

Os grandes acontecimentos políticos reverberam nas artes, influenciam e são influenciados pelos artistas. A Nouvelle Vague Tcheca é um exemplo. Foi um movimento de cinema diferente, radical e inseparável da Primavera de Praga, aquele “segundo soberbo”, na definição do escritor Milan Kundera.

Crítica: HOLY SPIDER (Aranha Sagrada)

Pré-selecionado ao Oscar, filme aborda caso real de serial killer que foi celebrado por matar mulheres no Irã. Conhecido como Spider Killer, o assassino acredita estar numa missão espiritual de limpar as ruas do pecado.