“Presidente Dilma: por que proteger torturadores e assassinos?”

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram

No dia 12 de outubro ativistas de direitos humanos, ex-presos políticos e familiares de mortos e desaparecidos, protestaram em frente à Catedral da Sé, no centro de São Paulo, para que o projeto da Comissão da Verdade seja alterado no Senado. “Presidente Dilma: por que proteger torturadores e assassinos?”, questionava a faixa dos manifestantes.

 

Os militantes querem que os torturadores da ditadura militar sejam punidos. O protesto chamou a atenção das pessoas que passavam pela região. Uma carta aberta foi distribuída à população.

No próximo dia 18, às 9h, na Comissão de Direitos Humanos do Senado será realizada uma audiência pública para discutir o projeto de lei 88/2011, que cria a Comissão da Verdade. A votação do projeto deve acontecer no plenário da Casa na mesma data.

O governo federal tenta esvaziar a audiência e impedir qualquer debate que resulte em mudanças no texto aprovado na Câmara dos Deputados no dia 21 de setembro. Qualquer alteração no projeto fará com que ele retorne à Câmara para uma nova votação.

Por isso, o Executivo já anunciou que não vai comparecer à audiência. Até agora, nenhum dos três ministros (Direitos Humanos, Justiça e Defesa) convidados pelo senador Paulo Paim (PT-RS), que preside a Comissão de Direitos Humanos da Casa e proponente da audiência, aceitou participar da reunião.

A audiência no Senado reunirá representantes da sociedade civil e do Ministério Público Federal, além dos membros da Comissão de Direitos Humanos. A participação neste encontro é fundamental para pressionar os senadores a aprovarem modificações no texto. 

Por uma Comissão da Verdade autônoma e sem sigilo
Pela punição dos torturadores e assassinos
Pela abertura imediata dos arquivos da ditadura militar
Pelo cumprimento da sentença da OEA

FONTE: CSP-Conlutas
FOTO: Werther Santana/ AE

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

Věra Chytilová e a Nouvelle Vague Tcheca – Parte 2

Os grandes acontecimentos políticos reverberam nas artes, influenciam e são influenciados pelos artistas. A Nouvelle Vague Tcheca é um exemplo. Foi um movimento de cinema diferente, radical e inseparável da Primavera de Praga, aquele “segundo soberbo”, na definição do escritor Milan Kundera.

Crítica: HOLY SPIDER (Aranha Sagrada)

Pré-selecionado ao Oscar, filme aborda caso real de serial killer que foi celebrado por matar mulheres no Irã. Conhecido como Spider Killer, o assassino acredita estar numa missão espiritual de limpar as ruas do pecado.