Programação Cultural: 5º Festival de Cinema do Oriente Médio chega a São Paulo

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram

Começou nesta quinta-feira (29), a 5ª edição do Festival do Oriente Médio. Filmes de países como Egito, Síria, Tunísia e Iêmen serão exibidos até o dia 09/10 no Cinesesc e na Galeria Olido. É uma grande oportunidade para conhecer mais sobre a cultura, religião e ânsia por mudanças políticas da região, que tem sido palco de conflitos recentes.

 

 

São ficções, documentários e palestras que compõem o festival. As exibições começam a partir das 15h às 21h. A entrada custa R$ 4.

O Festival realiza também um encontro sobre as novas mídias nas revoltas que ocorreram nesta região em 2010 e neste ano na mesa de “Citizen Journalism”. Três diretores farão palestras e participaram da mesa, que ocorrerá no dia 4 de outubro, terça-feira, às 20h no auditório da Folha de S. Paulo.

Participam do evento o documentarista iraniano Shahriar Siami Shal, o cineasta egípcio Ibrahim El-Batout, o especialista em cultura israelense Daniel Douek, o editor do caderno Mundo da Folha de S. Paulo, Fábio Zanini e a curadora do Festival Cinema do Oriente Médio, Márcia Camargos.

 

5º FESTIVAL DE CINEMA DO ORIENTE MÉDIO

ONDE: Cinesesc e Galeria Olido

QUANDO: de 29/09 até 09/10

INGRESSOS: R$ 4,00

Veja as sinopses de alguns filmes:

 

“18 Dias” – (Tamania iaum –2011- Ficção – Egito – Cor – 120 min)

Direção: Sherif Arafa, Kamla Abou Zikri, Marwan Hamed, Mohamed Ali, Sherif El Bendari, Khaled Marei, Mariam Abou, Ahmad Abdallah, Yousry Nasrallah, Ahmad Alaa.

Idioma: Árabe

Filme egípcio assinado por diversos diretores, sobre o processo revolucionário;

Logo que caiu o ditador Hosni Mubarack do Egito, dez diretores, vinte atores, seis escritores e suas respectivas equipes de cinema resolveram filmar, com baixoorçamento e de maneira voluntária, dez histórias sobre a revolução de 25 de janeiro.São uma dezena de curta-metragens relatando o que eles viveram, ouviram ouimaginaram.

 

 

 

“Sem Medo a partir de Hoje” – (La Khaoufa Baada Al’yaoum – 2011 – Documentário – Tunísia – Cor- 72min)

Direção: Mourad Ben Cheikh

Idioma: Árabe

Este é um documentário sobre a revolução que em janeiro de 2011 depôs o ditador Zine el-Abdine Ben Ali, da Tunísia, inspirando os levantes da Primavera Árabe. Ele expressa o estado de espírito tanto dos jovens que fizeram a primeira revolução da era virtual quanto dos mais velhos, que nunca cessaram de combater o medo para resistir ao jugo da ditadura.

 

 

 

 

 

“Inundação no País do Baath” – (Toufan fi Balad Al-Baath–2005- Documentário – Síria– Cor – 48 min)

Direção: Omar Amiralay
Idioma: Árabe

Em 1970, um jovem cineasta sírio, mobilizado pelo fervor revolucionário, faz um filme-poema para celebrar os grandes avanços do seu país rumo à modernização. Trinta e cinco anos depois, o diretor Omar Amiralay, já amadurecido, retorna ao local do seu primeiro filme. A barragem, cuja construção descreveu, entrou em colapso. Um relatório oficialindica que todas as obras de infraestrutura construídas pelo Baath, depois que este chegou ao poder, vão ter o mesmo destino. Na aldeia de Al-Machi, Amiralay olha atônito para o que representa um triste desfecho para o sonho do socialismo árabe. O filme retrata os efeitos devastadores de 35 anos de governo do partido Baath sírio. Um raro exemplocontemporâneo de cinema combinando maestria formal a coragem política.

 

“Cairo Exit” – (Al-Khuruj –2010- Ficção – Egito – 95 min)

Direção: Hesham Issawi
Idioma: Árabe
Poderoso relato sobre a vida no Cairo contemporâneo, fala sobre um par de amantes e os tabus sociais e culturais que permeiam a população da cidade. Anunciando uma ousada mudança para o cinema, este filme é um trabalho corajoso e intransigente de Hesham Issawi, um talento cinematográfico em ascenção.

 

 

 

 

 

 

“Zinat: Um dia especial” – (ZINAT: one special day – 2000 – Documentário – Irã – Cor – 58 min)
Direção: Ebrahim Mokhtari 
Idioma: Farsi
Zinat é a primeira mulher da Ilha de Qeshm, ao sul do Irã, a remover o tradicional e compulsório véu para trabalhar como enfermeira. Ela tornou-se diretora da clínica de saúde da aldeia, e depois de 13 anos envolveu-se em atividades sociais e políticas. Apresentou-se como candidata nas eleições locais no Irã, em fevereiro de 1999. O documentário mostra seu dia-a-dia de mãe, profissional de saúde, esposa e ativista.


 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

Cartão do Dia dos Aposentados

Feliz Dia dos Aposentados

O Sindsef-SP parabeniza os aposentados e as aposentadas pelo seu dia e reafirma seu compromisso na luta por paridade entre ativos, aposentados e pensionistas, pelo cumprimento do Estatuto do Idoso, contra os ataques à previdência e pela recomposição salarial.

Crítica: filme Noites de Paris

Nesta crítica, saiba sobre o filme Noites de Paris, que se passa em 1981. No ano de eleições, comemorações se espalham pelas ruas e há um ar de esperança e mudança.