Sem tropa do braço, protesto contra aumento das passagens cumpriu percurso

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram

Diferente dos dois primeiros protestos contra o aumento das passagens em São Paulo, a manifestação realizada terça-feira, 20/01, conseguiu cumprir o percurso definido em assembleia dos participantes. Coincidentemente, isso aconteceu sem presença da Tropa de Choque e da chamada “Tropa do Braço”.
 
O terceiro protesto aconteceu em Tatuapé, na Zona Leste. Com a Polícia Militar apenas acompanhando, sem intervir, não houve confronto, depredação ou incidente durante toda a passeata, que começou na Praça Silvio Romero e passou pela Avenida Radial, com destino ao Metrô Belém. Segundo o MPL (Movimento pelo Passe Livre), pelo menos 8 mil pessoas participaram. A PM calcula a adesão de 5 mil.

Votação do percurso

Os manifestantes cantaram, gritaram, mostraram seus cartazes e faixas e dialogaram com a população, que aplaudiu e ergueu cartazes escritos “Aumento NÃO”. Funcionários de uma grande multinacional do ramo alimentício foram até os portões do local de trabalho para empunhar esses cartazes. Ao mesmo tempo, muitos motoristas parados no trânsito buzinaram e gesticularam em apoio ao movimento.

Da mesma forma que nos protestos anteriores, houve uma coluna da CSP-Conlutas, com a participação de integrantes dos sindicatos filiados, a exemplo do Sindsef-SP, Sintrajud e Sindicato dos Metroviários, do Movimento Mulheres em Luta, do Quilombo Raça e Classe e da Assembleia Nacional dos Estudantes Livre (Anel).

Sem repressão, o protesto cumpriu seu objetivo: denunciou o aumento das tarifas, exigiu transporte público de qualidade e passe livre, além de incluir reivindicações como a readmissão dos metroviários demitidos por Alckmin durante a greve do ano passado e a defesa da manutenção dos empregos dos cobradores, ameaçados pela gestão Haddad.

Após o término do ato, houve um princípio de tumulto na estação Belém, quando parte dos manifestantes decidiu fazer um “catracaço”, ou seja, pular as catracas para protestar contra a tarifa. A polícia impediu a ação e atacou os manifestantes.

PM invade estação Belém

A próxima manifestação contra o aumento da passagem será nesta sexta-feira, 23/01, com concentração às 17h no Theatro Municipal.

 

 

Crédito das fotos: Romerito Pontes
Texto: Lara Tapety
*Com informações da CSP-Conlutas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

Věra Chytilová e a Nouvelle Vague Tcheca – Parte 2

Os grandes acontecimentos políticos reverberam nas artes, influenciam e são influenciados pelos artistas. A Nouvelle Vague Tcheca é um exemplo. Foi um movimento de cinema diferente, radical e inseparável da Primavera de Praga, aquele “segundo soberbo”, na definição do escritor Milan Kundera.

Crítica: HOLY SPIDER (Aranha Sagrada)

Pré-selecionado ao Oscar, filme aborda caso real de serial killer que foi celebrado por matar mulheres no Irã. Conhecido como Spider Killer, o assassino acredita estar numa missão espiritual de limpar as ruas do pecado.