Seminário em homenagem ao Dia da Consciência Negra

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram

“O racismo e seus efeitos no cotidiano da população negra” será o tema do seminário em homenagem ao Dia da Consciência Negra. A atividade, que está sendo organizada pelo Sindsef-SP e pelo Sintrajud (Sindicato dos Trabalhadores do Judiciário Federal no Estado de São Paulo), será realizada no dia 24 de novembro, das 9h às 14h, no auditório do Sintrajud – Rua Antonio de Godoy, 88, 15ª andar, Centro – São Paulo/SP.

O objetivo é levar à categoria uma reflexão séria e profunda sobre esse tema e impedir que o debate sobre a questão racial seja relegado a segundo plano. Apesar da importância, constantemente a questão é tratada de forma superficial. A população negra ainda é alvo de diversos preconceitos e sua história de luta, coragem e resistência são retratadas de forma equivocada nos livros didáticos.

O debate abordará temas presentes no cotidiano do povo negro: Cotas nas Universidades e no Serviço Público, O racismo na literatura brasileira e Violência policia.

A CSP–CONLUTAS, Fenajufe, Tribunal Popular, Revista Crítica do Direito, Sindicato dos Advogados do Estado de São Paulo, Associação dos Juízes para Democracia – AJD, Movimento Nacional Quilombo e Classe, Assembleia Nacional dos Estudantes Livres – ANEL, apoiam esta iniciativa e enviarão representantes para participar do seminário.

Participe deste debate
Com o fim da escravidão, arrancada através de muita luta, os negros foram colocados a margem da sociedade. Ainda hoje, a opressão, o preconceito e o mito da inferioridade estão presentes no dia a dia desta parcela da sociedade e são utilizadas para justificar contratações com salários rebaixados e as investidas policiais, que vitimam principalmente os jovens negros. Tudo servindo à lógica da exploração do sistema capitalista.

Essa situação se agrava pelo fato de mais da metade da população brasileira ser negra. Infelizmente, essa maioria ainda não se traduziu em direitos e conquistas para aqueles que, durante mais de três séculos, foram forçados a trabalhar no processo de acumulação de capital no Brasil. Venha participar deste debate! Esta luta também é sua!

Os convidados para  iniciar o debate são: 
José Eduardo Rosa (“Buiú”), falará sobre a Violência policial – Buiu é Graduando do 4ª ano no curso de História no Centro Universitário da Fundação Santo André (CUFSA) e militante do Espaço Socialista, Organização Marxista, no ABC paulista e integrante do Rosa Negra, coletivo de combate ao racismo em Mauá.

Joselicio Junior (Juninho), falará sobre Cotas no serviço público e nas universidades – Juninho é jornalista e pós-graduado em mídia, informação e cultura pela CELACC/ECA-USP e membro do Círculo Palmarino, corrente do movimento negro e do Instituto de Estudos Afro-Brasileiro Manuel Quirino.

Wilson H. Silva, abordará o Racismo na literatura brasileira – Wilson é formado em História e mestre em cinema pela Universidade de São Paulo e dirigente e membro do Quilombo Raça e Classe e do Setorial LGBT e da Executiva Estadual da CSP-Conlutas.
Confirme sua participação, na secretaria do Sindsef-SP pelo telefone (11) 5085-1157.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

Věra Chytilová e a Nouvelle Vague Tcheca – Parte 2

Os grandes acontecimentos políticos reverberam nas artes, influenciam e são influenciados pelos artistas. A Nouvelle Vague Tcheca é um exemplo. Foi um movimento de cinema diferente, radical e inseparável da Primavera de Praga, aquele “segundo soberbo”, na definição do escritor Milan Kundera.

Crítica: HOLY SPIDER (Aranha Sagrada)

Pré-selecionado ao Oscar, filme aborda caso real de serial killer que foi celebrado por matar mulheres no Irã. Conhecido como Spider Killer, o assassino acredita estar numa missão espiritual de limpar as ruas do pecado.