Servidores da Fundacentro solicitam audiência com o Ministro do Trabalho

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram

Servidores da Fundação Jorge Duprat Figueiredo de Segurança e Medicina do Trabalho (Fundacentro) realizaram assembleia em 12 de abril, última sexta-feira, visando continuar o debate sobre a as consequências no cotidiano da Fundação após a exoneração de Eduardo de Azeredo Costa, ex-presidente da instituição.

Também esteve na pauta a Campanha pela Anulação da Reforma da Previdência e o reajuste do plano de saúde dos servidores da casa.

O primeiro ponto foi a exoneração de Eduardo Costa, publicada no Diário Oficial da União dia 04 de abril. Os funcionários reforçaram a necessidade de uma audiência com o Ministro do Trabalho, Manoel Dias, para relatarem a real situação da Fundacentro.

Logo após o afastamento de Costa, os servidores aprovaram e encaminharam um oficio ao Ministro do Trabalho solicitando uma audiência e expondo a preocupação com a nomeação do novo presidente, que deve ser “um cidadão compromissado com a missão desta instituição, com a saúde e segurança dos trabalhadores e com o serviço público”, ponderaram.

Durante a assembleia foi eleita uma comissão para definir a pauta que será discutida na reunião com o ministro, ainda sem data para acontecer.

O Sindsef-SP esteve ao lado dos trabalhadores em várias mobilizações denunciando a falta de respeito, as perseguições, a postura truculenta e autoritária utilizada por Costa para conduzir a Fundacentro.

O debate sobre a campanha Nacional pela Anulação da Reforma da Previdência veio em seguida. O tema é uma das principais bandeiras do funcionalismo, pois a reforma retirou direitos previdenciários dos servidores ao instituir a taxação de aposentadorias e pensões, aumentou o tempo necessário para a requisição da aposentadoria e pôs fim ao benefício integral. Um abaixo-assinado circulou entre os presentes e diversas assinaturas foram coletadas reivindicando a anulação da reforma da previdência de 2003.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

Věra Chytilová e a Nouvelle Vague Tcheca – Parte 2

Os grandes acontecimentos políticos reverberam nas artes, influenciam e são influenciados pelos artistas. A Nouvelle Vague Tcheca é um exemplo. Foi um movimento de cinema diferente, radical e inseparável da Primavera de Praga, aquele “segundo soberbo”, na definição do escritor Milan Kundera.

Crítica: HOLY SPIDER (Aranha Sagrada)

Pré-selecionado ao Oscar, filme aborda caso real de serial killer que foi celebrado por matar mulheres no Irã. Conhecido como Spider Killer, o assassino acredita estar numa missão espiritual de limpar as ruas do pecado.