Servidores do DNIT aprovam greve

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram

O clima é de confiança. A assembleia geral dos servidores do DNIT reuniu nessa quarta (05/06), através de uma videoconferência, quase todas as superintendências regionais do país. O resultado foi a aprovação do indicativo de greve a partir de 25 de junho.

Os servidores de São Paulo não poderiam ficar de fora, além de votar a favor  da paralisação, também elegeram o comando estadual de greve.

A data foi definida visando permitir que o Ministério do Planejamento cumpra o cronograma de reuniões agendadas com o setor para este ano e que pretendia esgotar as negociações, que se arrastam desde 2009, no dia 15 de junho. No entanto, na ocasião do segundo encontro, realizado em 27 de maio, os representantes do governo deixaram transparecer que iriam retomar as já conhecidas “mesas de enrolação”.

Após a entrega da pauta de reivindicação, os servidores aguardavam uma proposta da Secretaria de Relações do Trabalho. Porém, o Secretário da SRT/MPOG, Sergio Mendonça, argumentou que não tinha autorização para negociar reajustes diferentes do índice de 15,8%, pediu mais tempo para analisar as demandas e adiou para julho a apresentação de uma possível proposta. Com isso, pretende ignorar um processo negociai que se arrasta há quatro anos. 

Insatisfeitos com a morosidade do governo, os servidores decidiram recorrer a greve para forçar uma negociação efetiva que garantam a reestruturação da tabela salarial e equiparação com a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT).

Depois de recusarem o acordo de 2012, por não contemplar suas as principais reivindicações, os servidores do DNIT estão dando mais um recado: Não aceitarão ser enrolados! 

[cincopa AAGAmOb8C0Nm]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

TRF1 assegura direito de servidora permanecer no órgão para o qual foi removida por permuta

A 1ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) confirmou a sentença que julgou procedente o pedido para anular ato do Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região (TRT3) que determinou o retorno de uma servidora ao órgão de origem, reconhecendo o direito de ela permanecer no TRT da 22ª Região (TRT22), com lotação em Teresina/PI, para o qual foi removida, em reciprocidade, mesmo após o retorno à origem da servidora com quem permutou.