Servidores do MTE fortalecem o Dia Nacional de Luta do funcionalismo

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram

O Dia Nacional de Luta dos SPFs realizado nessa terça-feira, 31, mobilizou trabalhadores praticamente em todas as capitais do país e em outras cidades. O objetivo foi mostrar ao governo de Dilma que sem negociação a greve vai continuar.

Em São Paulo servidores administrativos do Ministério do Trabalho e Emprego anteciparam a paralisação, que vem ocorrendo sempre às quartas-feiras, para o dia 31. Na Superintendência não houve expediente. A baixa temperatura e a garoa não impediram os servidores de realizarem sua manifestação. 

Antes das 7h eles foram chegando, colocando as faixas e se aglomerando na entrada do prédio situado no número 109, da Rua Martins Fontes. Como de costume uma carta aberta explicando os motivos da paralisação foi distribuída aos usuários que buscavam atendimento.

Entre as reivindicações da categoria estão mais investimentos no serviço público para melhorar as condições de trabalho e proporcionar um atendimento de qualidade à população. Os trabalhadores do MTE, também, pedem equiparação com a tabela salarial do INSS. 

Governo desmarca reuniões

Mais uma vez o governo não cumpre o combinado. O secretário de Relações do Trabalho do Planejamento, Sérgio Mendonça, havia sinalizado que apresentaria respostas concretas às reivindicações do conjunto do funcionalismo federal até o final de julho. No entanto, um ofício do MPOG, divulgado no final do dia 30, informava que todas as reuniões agendadas foram canceladas e serão remarcadas para segunda quinzena de agosto.

 

[cincopa A8PA886_YYoJ]

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

Věra Chytilová e a Nouvelle Vague Tcheca – Parte 2

Os grandes acontecimentos políticos reverberam nas artes, influenciam e são influenciados pelos artistas. A Nouvelle Vague Tcheca é um exemplo. Foi um movimento de cinema diferente, radical e inseparável da Primavera de Praga, aquele “segundo soberbo”, na definição do escritor Milan Kundera.

Crítica: HOLY SPIDER (Aranha Sagrada)

Pré-selecionado ao Oscar, filme aborda caso real de serial killer que foi celebrado por matar mulheres no Irã. Conhecido como Spider Killer, o assassino acredita estar numa missão espiritual de limpar as ruas do pecado.