Servidores administrativos do MTE exigem implantação do plano de carreira em Dia Nacional de Luta

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram

Servidores administrativos do Ministério do Trabalho e Emprego realizaram um Dia Nacional de Luta no Dia da Abolição da Escravatura, em 13 de maio, exigindo a implantação imediata do plano de carreira específico para o setor.

Em diversos estados, servidores dedicaram duas horas da manhã para protestar contra o que consideram um “total descaso e desrespeito” por parte do Ministério de Gestão e Inovação em Serviços Públicos (MGI). As demandas centrais incluem o fim do desvio de função e do assédio moral institucional, componentes de uma luta histórica que vai além das reivindicações remuneratórias.

Em São Paulo, servidores realizaram panfletagem na entrada da superintendência do ministério e protocolaram um ofício no gabinete do superintendente para expressar o descontentamento da categoria. O mesmo procedimento foi adotado nas demais superintendências do MTE pelo país.

Um ano atrás, após esforços do Grupo de Trabalho e Mobilização Nacional dos Servidores Administrativos dos MTE e da Previdência, foram enviadas ao MGI as minutas dos avisos ministeriais dos Projetos de Lei dos PECMTE e MPS, buscando avançar nos direitos e valorização dos servidores. No entanto, o governo não deu os encaminhamentos necessários para a efetiva implantação desses planos, causando frustração e indignação.

A situação se agravou com a instalação pelo MGI de uma Mesa de Suporte do PST, medida que, segundo os manifestantes, intensifica o desvio de função e o assédio moral institucional.

A principal reivindicação dos servidores administrativos do MTE é a aprovação imediata do plano de carreira, que não apenas garantirá condições dignas de trabalho, mas também corrigirá as distorções existentes.

Nesse contexto, os servidores exigem: “Aprova o Plano de Carreira Já!”.

O Sindsef-SP apoia as reivindicações da categoria e coloca toda a estrutura do sindicato à disposição dos servidores do MTE.

Confira aqui o boletim em PDF, imprima e compartilhe no seu local de trabalho!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

TRF1 assegura direito de servidora permanecer no órgão para o qual foi removida por permuta

A 1ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) confirmou a sentença que julgou procedente o pedido para anular ato do Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região (TRT3) que determinou o retorno de uma servidora ao órgão de origem, reconhecendo o direito de ela permanecer no TRT da 22ª Região (TRT22), com lotação em Teresina/PI, para o qual foi removida, em reciprocidade, mesmo após o retorno à origem da servidora com quem permutou.