Sind Dicas: Festival Sesc Melhores Filmes

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram

Com a pandemia de Covid-19, tivemos que redescobrir o cinema a partir de nossas casas. Há várias possibilidades de ver filmes pela internet gratuitamente e cultivar aquela que é chamada de sétima arte, por ser uma síntese de todas. O Festival Sesc Melhores Filmes traz alguma opções, que colocamos abaixo.

Confira os filmes disponíveis:

https://sesc.digital/colecao/cinema-em-casa-com-sesc 

Abraço conta a história de luta dos professores de Sergipe para defender o direito de progressão na carreira, que teve sua constitucionalidade questionada em 2008. A obra mostra as estratégias de mobilização e como a luta é vivenciada, especialmente, pelas mulheres, que além das batalhas pela educação e pela categoria, precisam enfrentar as limitações impostas pela sociedade. A professora aposentada questionada pelo filho, que quer que ela cuide de seus filhos em vez de perder tempo com o sindicato. A professora, casada, que não tem o apoio do marido e é julgada porque devia estar cuidando de sua família, mas insiste em desbravar estradas. Uma produção que traz a história de vida e trabalho de professoras e professores, feita pelo Sintese (Sindicato dos Trabalhadores em Educação Básica do Estado de Sergipe) e que vale a pena ser vista. Um alento, que serve de inspiração, nesses dias sombrios (disponível  até 5 de maio)

Assista ao filme: https://sesc.digital/conteudo/cinema-e-video/cinema-em-casa-com-sesc/abraco 

Qual a cara da fome? Dois filmes em exibição no Festival Sesc Melhores Filmes, de certa forma, trazem este retrato. Com linda fotografia, Honeyland conta a história de Hatidze, uma mulher que cultiva mel nas montanhas da Macedônia e vive sozinha com a mãe até que uma família de Nômades chega ao lugar. Várias questões emergem: a luta pela sobrevivência, a exploração local, a convivência pacífica com o meio ambiente e o uso de recursos respeitando os limites da natureza ameaçados, a sabedoria dos povos e o papel da mulher na sociedade (disponível  até 5 de maio)

Assista ao filme:  https://sesc.digital/conteudo/cinema-e-video/cinema-em-casa-com-sesc/honeyland

Do outro lado, temos Sertânia e um retrato do sertão brasileiro na época do cangaço, mas não se trata de um filme tradicional, é antes de tudo uma experiência estética, que retrata a fome do povo e as disputas políticas, sociais e econômicas. O que se espera ver no fim da vida? Os últimos suspiros permeados por lembranças do que fomos? É assim pelas memórias de Antão, à beira da morte, que somos conduzidos por esta história, que traz em si o grito do povo expresso em suas imagens (disponível  até 5 de maio)

Assista ao filme: https://sesc.digital/conteudo/cinema-e-video/cinema-em-casa-com-sesc/sertania 

Também vale a pena conferir M8 — Quando a Morte Socorre a Vida, um filme necessário, que discute o racismo e os conflitos sociais na cidade do Rio de Janeiro. A partir da dura realidade, enfrentada por um jovem negro da periferia, que, através política das cotas, ingressa na faculdade de medicina, dominada por jovens brancos e ricos, é possível refletir sobre as relações inter raciais,  a violência policial e o genocídio do povo negro, além das questões relacionadas à religiosidade e à  ancestralidade. (disponível  até 28 de Abril)

Assista ao filme: https://sesc.digital/conteudo/cinema-e-video/cinema-em-casa-com-sesc/m8-quando-a-morte-socorre-a-vida

 Contribuição do Coletivo de Comunicação do Sindsef-SP

#cinemaemcasa #cinema #SindDicas #SindsefSP

São Paulo, 27 de abril de 2021

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

Sind Voz | Riacho Vermelho

Em 7 de setembro de 1822, o príncipe gritou: “Independência ou morte!” Foi o Grito do Riacho Vermelho (ele estava nas margens plácidas do Riacho do Ipiranga).