Sindicato dos Metroviários de SP informa: catracas livres na quinta-feira (4)

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram

Em assembleia no dia 27, os metroviários decidiram marcar uma greve para a próxima quinta-feira (4 de outubro). A assembleia votou a retirada de uniforme do pessoal da operação na terça e quarta-feira (2 e 3 de outubro) e uso de adesivo para todos os metroviários.

Como parte do processo de mobilização, foi distribuída Carta Aberta à População na Sé, na sexta-feira (28 de setembro), a partir das 17h.
Para explicar aos usuários do Metrô que a empresa e o governo estadual (PSDB) se preocupam apenas com os que ganham mais e comunicar a paralisação da próxima quinta-feira, uma Carta Aberta à População será distribuída na próxima terça-feira e será realizado ato na Sé, às 17h.

A greve é uma resposta à atitude intransigente, truculenta e elitista do Metrô. Uma nova assembleia será realizada na próxima quarta-feira. Se a empresa e o governo estadual não negociarem com os trabalhadores, o metrô vai parar!

Na mesma quinta-feira (27 de setembro), o Metrô reafirmou seu objetivo de favorecer os que ganham mais. Em reunião com o Sindicato, manteve a proposta de pagar a PR de forma elitista, privilegiando os que ganham mais e insistindo no pagamento só em abril.

Com relação à jornada de trabalho e equiparação, não ocorreu nenhum avanço. Não houve, portanto, qualquer tipo de negociação. Apenas mais uma demonstração de intransigência do Metrô.

O Sindicato desafia o Metrô: os trabalhadores aceitam trabalhar na próxima quinta-feira se a empresa autorizar a liberação das catacras. 

Outra assembleia ocorre na próxima quarta-feira (3 de outubro), a partir das 18h30, no Sindicato.

 

 

Fonte: Sindicato dos Metroviários de SP

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

Avaliação acerca da compatibilidade da deficiência do candidato com as atribuições do cargo deverá ser realizada durante estágio probatório

A 6ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) reformou a sentença para garantir o direito de um candidato ao cargo de policial rodoviário federal, aprovado na condição de pessoa com deficiência (PcD), a permanecer no concurso, caso tenha sido aprovado em todas as etapas do certame, e que a União determine a nomeação e posse da parte autora, no prazo de 60 dias.