Sindsef-SP participa da Mesa de Negociação do Ministério da Saúde

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram

Nesta quarta-feira, 27 de maio, ocorreu a última reunião da Mesa Local de Negociação Permanente do Ministério da Saúde em São Paulo. A atividade contou com participação de representantes do Sindsef-SP, Sinsprev/SP e do Ministério da Saúde/SP.

Em pauta: “Oficina de Cedência: Direitos e deveres dos servidores cedidos”; Avaliação de desempenho; Gratificação de desempenho Médico; Processo de reabertura de termo de opção de cargos e carreiras e portaria 243/2015.

O primeiro ponto tratou da “Oficina de Cedência”. Segundo os organizadores, o evento contará com a presença de 1 representante da bancada governamental de cada Mesa Local e 1 representante por entidade sindical que compõem a bancada sindical, ou seja, 2 representantes da bancada sindical.

De acordo com as orientações, é necessário definir a participação de um servidor cedido por mesa local. Após debate, ficou estabelecido que a escolha comtemple um servidor de lotado em unidade onde são relatados mais conflitos. As entidades sindicais têm até o dia 8 de junho para indicar seus representantes.

Na sequência, a bancada governamental informou que a avaliação de desempenho encerra no dia 29 de maio, como já estava previsto, e que a maioria das avaliações já foram realizadas. Ana Bueno, diretora do Sindsef-SP, questionou a situação dos cedidos lotados na Baixada Santista e foi informada que “só faltavam dois servidores da região”.

Referente a reabertura do termo de opção de cargos e carreiras, o governo não se mostrou sensível e argumenta que o prazo já foi ampliado várias vezes. A bancada sindical solicitou um levantamento sobre quantos servidores do estado estão fora carreira.

A reunião encerrou com a leitura e esclarecimentos referentes aos artigos da portaria 243/2015.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

Věra Chytilová e a Nouvelle Vague Tcheca – Parte 2

Os grandes acontecimentos políticos reverberam nas artes, influenciam e são influenciados pelos artistas. A Nouvelle Vague Tcheca é um exemplo. Foi um movimento de cinema diferente, radical e inseparável da Primavera de Praga, aquele “segundo soberbo”, na definição do escritor Milan Kundera.

Crítica: HOLY SPIDER (Aranha Sagrada)

Pré-selecionado ao Oscar, filme aborda caso real de serial killer que foi celebrado por matar mulheres no Irã. Conhecido como Spider Killer, o assassino acredita estar numa missão espiritual de limpar as ruas do pecado.