Sindsef-SP presente no XI Congresso da Condsef

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram

Começou em 11 de dezembro o XI Congresso da Condsef. De acordo com a organização do evento, são esperados cerca de dois mil representantes da base da Confederação de todo o Brasil. O evento segue até domingo, 15.

 

A mesa de abertura contou com a presença da CSP-Conlutas, Andes (Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior), Sinpecpf (Sindicato Nacional dos Servidores do Plano de Cargos da Polícia Federal) e CUT.

O membro da Executiva da CSP-Conlutas, José Maria de Almeida, destacou o cenário político após as mobilizações de junho, “mas apesar das promessas dos governantes nada de concreto foi realizado em benefício da classe trabalhadora”. “As mudanças que nós precisamos construir no país, para que o povo possa ter uma vida digna, vão vir da nossa luta e da nossa unidade”, prosseguiu.

Finalizou afirmando que a CSP-Conlutas estará ao lado dos trabalhadores nas lutas que estão por vir. “Na construção da greve do funcionalismo pode contar com a CSP-Conlutas!”

Após a cerimônia de abertura foi aprovado o Regimento Interno do XI Concondsef e eleita a Comissão Eleitoral. A delegação do Sindsef-SP e CSP-Conlutas será representada na comissão pelo servidor do IPEN, Luis Genova.

A parte da manhã do segundo dia (12) foi dedicada a defesa das teses. Com o tema “Avançar na unidade rumo a uma nova direção”, o Sindsef-SP dividiu o plenário e ganhou novos apoiadores durante a apresentação feita por Liliane Souza, Carlos Daniel e Luciano Filgueiras, do Sintsef-CE, que também assina  a tese 4.

Os delegados do Sindsef-SP, eleitos em assembleia nos locais de trabalho, estão  marcando presença nos debates realizados nas plenárias e nos grupos. A qualidade das intervenções e as propostas de mudanças conquistam novos adeptos.

 

Vejam fotos no facebook.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

Věra Chytilová e a Nouvelle Vague Tcheca – Parte 2

Os grandes acontecimentos políticos reverberam nas artes, influenciam e são influenciados pelos artistas. A Nouvelle Vague Tcheca é um exemplo. Foi um movimento de cinema diferente, radical e inseparável da Primavera de Praga, aquele “segundo soberbo”, na definição do escritor Milan Kundera.

Crítica: HOLY SPIDER (Aranha Sagrada)

Pré-selecionado ao Oscar, filme aborda caso real de serial killer que foi celebrado por matar mulheres no Irã. Conhecido como Spider Killer, o assassino acredita estar numa missão espiritual de limpar as ruas do pecado.