SPFs realizam ato em frente ao MPOG durante lançamento da Campanha Salarial Unificada

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram

A entrada  do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, situada no Bloco K da Esplanada dos Ministério em Brasília, foi tomada por centenas de servidores federais durante o ato de lançamento da Campanha Salarial Unificada dos SPFs.

A mobilização reuniu cerca de 30 entidades nacionais que representam o funcionalismo e três centrais sindicais, entre elas a CSP-Conlutas.  O Sindsef-SP ajudou a fortalecer o protesto, que também traz eixos como a revogação da  medidas provisória 664 e 665, que reduzem direitos como pensão por morte e auxílio-doença.

Os manifestantes protocolaram a pauta da campanha aprovada durante a reunião ampliada do Fórum da Entidades Federais realizada no início de fevereiro. Mas não foram recebidos como reivindicavam. Enquanto aguardavam fizeram apitaço e batucada.

E o governo pode esperar mais barulho! Esta foi apenas a primeira mobilização. Seguindo o calendário de luta dos SPFs, a próxima atividade será um ato no dia 06 de março, no Rio de Janeiro, em defesa do SUS e contra a Ebserh. Na sequência, ocorre a Jornada de Lutas entre os dias 7 e 9 de abril, quando os SPFs irão realizar uma grande marcha em Brasília .

 

Calendário de lutas:

25 de fevereiro: Ato de lançamento da Campanha Salarial 2015 em Brasília (DF), no MPOG (Bloco K),  concentração a partir das 9h;

25 de fevereiro: Dia Nacional de Luta com atos, assembleias e paralisações nos estados;

Março: Jornada de Luta nos estados, com discussão sobre indicativo de greve;

6 de março: Ato nacional no Rio de Janeiro e nos estados contra a privatização do SUS e contra a Ebserh;

7 a 9 de abril: Jornada nacional de Lutas, em Brasília com discussão sobre indicativo de greve dos SPFs.

 

Pauta de reivindicação:

Política salarial permanente com correção das distorções e repo- sição das perdas inflacionárias;

Índice linear de 27,3%;

Data-base 1o de maio;

Direito de negociação coletiva (convenção 151 OIT);

Paridade salarial entre ativos e aposentados;

Retirada dos projetos do congresso nacional que atacam os direitos dos servidores;

Aprovação imediata dos projetos de interesse dos servidores;

Isonomia salarial e de todos os benefícios entre os poderes;

Anulação da Reforma da Previdência realizada através da compra de votos dos parlamentares;

Extinção do Fator Previdenciário;

Incorporação de todas as gratificações produtivistas;

Fim da terceirização, que retira direitos dos trabalhadores Concurso público pelo RJU;

Combate a toda forma de privatização;

Pela aprovação da PEC 555/06 que extingue a cobrança previdenciária dos aposentados;

Pela aprovação do PL 4434 que recompõe as perdas salariais;

Regulamentação da jornada de trabalho para o máximo de 30 horas para o serviço público, sem redução salarial;

PEC 170/2012 – aprovação da Aposentadoria Integral por Invalidez;

Liberação de dirigentes sindicais com ônus para o estado, sem prejuízo as promoções e progressões na carreira;

Pela revogação do FUNPRESP e da EBSERH.

Com informações do Sintrajud e Sinasefe Nacional

Foto: Andes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

Věra Chytilová e a Nouvelle Vague Tcheca – Parte 2

Os grandes acontecimentos políticos reverberam nas artes, influenciam e são influenciados pelos artistas. A Nouvelle Vague Tcheca é um exemplo. Foi um movimento de cinema diferente, radical e inseparável da Primavera de Praga, aquele “segundo soberbo”, na definição do escritor Milan Kundera.

Crítica: HOLY SPIDER (Aranha Sagrada)

Pré-selecionado ao Oscar, filme aborda caso real de serial killer que foi celebrado por matar mulheres no Irã. Conhecido como Spider Killer, o assassino acredita estar numa missão espiritual de limpar as ruas do pecado.