Terceirizados do Inmet sofrem com atraso de salários

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram

Pelo segundo mês consecutivo, os trabalhadores terceirizados que prestam serviços ao INMET enfrentam atrasos salariais.

No mês de março, a situação atingiu seu ponto crítico quando os funcionários só conseguiram receber seus proventos no dia 15, acumulando um período de 10 dias de atraso. Para muitos, essa demora significou mais do que meros números em uma planilha financeira; representou a ameaça iminente de perder um teto sobre suas cabeças.

Dados disponíveis no Portal da Transparência revelam que um contingente de 233 trabalhadores foi contratado pela empresa Defender Conservação e Limpeza para fornecer suporte administrativo, operacional e técnico em várias unidades do Inmet, incluindo a sede em Brasília e 10 distritos distribuídos em diferentes estados do país.

A empresa citada não é estranha aos holofotes da mídia quando se trata de atrasos salariais. No início de abril foi alvo de críticas por não cumprir pontualmente com suas obrigações financeiras em outros órgãos da Administração Pública. Em algumas situações, a administração realizou os pagamentos dos salários diretamente aos trabalhadores.

Já o Inmet optou por notificar a empresa terceirizada, exigindo uma solução para os atrasos recorrentes. No entanto, mesmo após a notificação, abril chega ao 10º dia e os salários dos terceirizados ainda não foram pagos.

O órgão como tomador de serviços tem o dever legal de fiscalizar a empresa contratada e exigir a documentação que comprove o cumprimento das obrigações legais trabalhistas.

Trabalhadoras e trabalhadores terceirizados são o elo frágil do serviço público, mesmo estando à frente de demandas importantes para o funcionamento cotidiano das instituições e não podem sofrer tanto descaso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

TRF1 assegura direito de servidora permanecer no órgão para o qual foi removida por permuta

A 1ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) confirmou a sentença que julgou procedente o pedido para anular ato do Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região (TRT3) que determinou o retorno de uma servidora ao órgão de origem, reconhecendo o direito de ela permanecer no TRT da 22ª Região (TRT22), com lotação em Teresina/PI, para o qual foi removida, em reciprocidade, mesmo após o retorno à origem da servidora com quem permutou.