Termina a greve dos trabalhadores dos Correios

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram

O Tribunal Superior do Trabalho (TST) julgou o dissídio coletivo dos trabalhadores dos Correios na última terça-feira (11).  Mesmo sem reconhecer a abusividade da greve, como queria a Empresa de Correios e Telégrafos (ECT), os ministros autorizaram a descontar no salário dos trabalhadores o equivalente a sete dias de greve. Os demais 21 dias de paralisação devem ser compensados com trabalho extra nos fins de semana com aviso de pelo menos 72 horas de antecedência.

 

O Tribunal determinou o reajuste de 6,87% retroativo a 1º de agosto e aumento linear de R$ 80 a partir de 1º de outubro. Foi aprovado ainda o vale extra de R$ 575 para dezembro, vale-cesta de R$ 140 e vale-alimentação de R$ 25. 

O presidente do Tribunal, João Oreste Dalazen, foi quem decidiu levar o dissídio a julgamento, diante da insistência da empresa e do governo em cortarem os dias parados, e a resistência dos trabalhadores em aceitar tal ataque. É o mesmo juiz que propôs o corte integral dos 28 dias de greve.  Após o julgamento, foi determinada a volta ao trabalho a partir desta quinta-feira, (13).

Para o membro da FNTC (Frente Nacional dos Trabalhadores dos Correios), Geraldo Rodrigues, o Geraldinho, da oposição à maioria da Fentect, a proposta do TST se limitou à retomar a primeira proposta da empresa, realizada na primeira audiência.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

Curtas Jornadas Noite Adentro

Vale a pena conferir o longa Curtas Jornadas Noite Adentro, de Thiago B. Mendonça, que estará disponível na plataforma on-line do Sesc até 25.02.2023.

Věra Chytilová e a Nouvelle Vague Tcheca – Parte 2

Os grandes acontecimentos políticos reverberam nas artes, influenciam e são influenciados pelos artistas. A Nouvelle Vague Tcheca é um exemplo. Foi um movimento de cinema diferente, radical e inseparável da Primavera de Praga, aquele “segundo soberbo”, na definição do escritor Milan Kundera.

Crítica: HOLY SPIDER (Aranha Sagrada)

Pré-selecionado ao Oscar, filme aborda caso real de serial killer que foi celebrado por matar mulheres no Irã. Conhecido como Spider Killer, o assassino acredita estar numa missão espiritual de limpar as ruas do pecado.