Um sindicato de luta

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram

A função de um sindicato é a de lutar em defesa dos direitos dos trabalhadores. É uma arma coletiva que as categorias possuem para se organizar e lutar por suas reivindicações. O SINDSEF-SP é um sindicato que preza esses objetivos, que tem a luta e a defesa dos servidores como prioridade. Por isso, enquanto diversas direções sindicais se atrelam ao governo e a CUT, como maior exemplo disso, se torna um braço do governo no movimento sindical, o SINDSEF-SP não teme nadar contra a corrente e manter seus princípios.

Também em seu próprio funcionamento, o sindicalismo que defendemos não tem nada a ver com o da CUT, baseado na burocratização cada vez maior de seus dirigentes, com altíssimos salários e ajudas de custo. No SINDSEF-SP, os dirigentes liberados têm o mesmo salário que a base da categoria. Da mesma forma, contamos unicamente com a contribuição voluntária dos filiados. Os critérios de diárias para custear as atividades do movimento são os mesmos, tanto para diretores quanto para a base, e são públicos.

Nosso ideal de sindicato é o de um sindicato de luta, com democracia e participação dos servidores nas suas instâncias, sem decisões tomadas pela cúpula. Valorizamos as assembléias de base, onde as decisões são tomadas coletivamente e as divergências debatidas e votadas.

Por isso, chamamos todos os servidores federais do estado de São Paulo a se filiarem ao SINDSEF-SP e participarem coletivamente das lutas e discussões da categoria. Sozinho, não há força para lutar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

Věra Chytilová e a Nouvelle Vague Tcheca – Parte 2

Os grandes acontecimentos políticos reverberam nas artes, influenciam e são influenciados pelos artistas. A Nouvelle Vague Tcheca é um exemplo. Foi um movimento de cinema diferente, radical e inseparável da Primavera de Praga, aquele “segundo soberbo”, na definição do escritor Milan Kundera.

Crítica: HOLY SPIDER (Aranha Sagrada)

Pré-selecionado ao Oscar, filme aborda caso real de serial killer que foi celebrado por matar mulheres no Irã. Conhecido como Spider Killer, o assassino acredita estar numa missão espiritual de limpar as ruas do pecado.