Uma greve que desafiou o governo de Dilma-PT

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram

por Paulo Barela, membro da
Secretaria-Executiva Nacional da  CSP-Conlutas

 

Na semana passada, os servidores federais começaram o retorno ao trabalho após a realização de um dos mais poderosos movimentos de greve dos últimos dez anos. Foram mais de cem dias de luta, que ainda segue em alguns setores, como professores das universidades e escolas técnicas, Incra e polícia federal. Nas linhas abaixo, um breve balanço de como foi essa luta.

 

Coragem para enfrentar um governo muito forte

Uma greve de servidores federais, em geral, não é um movimento de luta comum, mas uma verdadeira guerra contra a política e o plano econômico do governo burguês de plantão. Mas, quando esse processo se desenvolve contra um governo de Frente Popular, em meio a uma crise econômica mundial e com altos índices de popularidade da presidência, se transforma em quase uma façanha.

Pois foi de fato uma façanha o que fizeram os servidores federais neste embate contra o governo Dilma. Inicialmente o governo negava qualquer concessão para as categorias, alegando preocupação com os trabalhadores que não têm estabilidade no emprego e os efeitos da crise econômica no Brasil. Em seguida bradou que não negociava com grevistas, muito menos com categorias de trabalhadores “sangue azul”. Por fim, protelou as negociações na tentativa de “cansar” os grevistas e jogar a opinião pública contra a greve com o claro objetivo de manter sua política de reajuste zero para o funcionalismo. O movimento seguiu firme e aumentando à cada dia. Para cada nova pixotada de Dilma, os servidores federais respondiam com a adesão de mais categorias à greve. E foi assim até meados de agosto, quando algumas categorias, mesmo depois de três meses da deflagração da greve, ainda somavam-se ao movimento.

Por todo o Brasil, e todos os dias, os servidores públicos tomaram as ruas em protestos nas capitais dos estados e em Brasília. Acompanharam a agenda da presidente e deflagraram o “Caça à Dilma”, movimento que organizava os grevistas em protestos exigindo negociação em todos os cantos do país onde estivesse a presidente. Em São Paulo, a pressão dos protestos chegou a desestabilizar o candidato do PT à prefeitura, e apadrinhado de Lula, o ex-ministro da educação, Fernando Haddad, que foi socorrido por ninguém mais que o candidato tucano, José Serra, que chamou os manifestantes de fascistas. Ora, quem falando!

Em uma das mais ousadas ações da greve, os servidores fizeram um bloqueio ao Ministério do Planejamento às 5 horas da manhã do dia 19 de julho (mantiveram o prédio fechado por todo o dia) e obrigaram o governo a receber uma representação do Fórum Nacional das Entidades. Começava ali um novo momento da greve. Acuado, o governo se viu pressionado a negociar com todas as categorias e mexer no orçamento para abrir concessões salariais. A empáfia do governo era dobrada pela força e organização da greve.

 

Uma vitória política imensurável

Os ganhos econômicos foram importantes e uma demonstração do efetivo recuo do governo. A previsão era “zero por cento”, mas o movimento conseguiu arrancar R$ 12 bilhões/ano até 2015. Oito vezes mais do que foi concedido neste ano, R$ 1,5 bilhões. Porém, insuficiente para a maioria das categorias que vão ter um reajuste de 15,8% em três anos, que não cobrirá sequer as perdas inflacionárias. Alguns setores, como técnicos das universidades federais e escolas técnicas, professores, IBGE, carreira ambiental e parte do PCCTAE receberão reajustes maiores em forma de incorporação de parte das gratificações e adicionais por graduação e titulação (cursos de especialização, mestrado e doutorado).

A greve do funcionalismo federal foi um fenômeno pela sua abrangência, radicalidade e expressão política na conjuntura do país. Impôs ao governo Dilma uma derrota política de proporções muito grandes, forçando uma mudança na relação com o funcionalismo e garantindo negociação e concessões para a categoria. O desgaste político foi tão grande que os índices de popularidade do governo despencaram, em média, 10 pontos percentuais nas principais capitais do país. Isso aconteceu pela primeira vez nos doze anos de governo de frente popular, se considerados os dois mandatos de Lula e o atual mandato de Dilma.

Portanto, o legado mais importante dessa greve foi a derrota política imposta ao governo Dilma e, como conseqüência, uma vitória também política do movimento, que vai colocar os servidores federais em uma situação mais favorável para novos enfrentamentos com o governo no próximo período. O primeiro desafio será barrar os projetos de regulamentação do direito de greve, que, em essência, buscam proibir ou limitar substancialmente, a realização de greves no setor público.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

Cartão do Dia dos Aposentados

Feliz Dia dos Aposentados

O Sindsef-SP parabeniza os aposentados e as aposentadas pelo seu dia e reafirma seu compromisso na luta por paridade entre ativos, aposentados e pensionistas, pelo cumprimento do Estatuto do Idoso, contra os ataques à previdência e pela recomposição salarial.

Crítica: filme Noites de Paris

Nesta crítica, saiba sobre o filme Noites de Paris, que se passa em 1981. No ano de eleições, comemorações se espalham pelas ruas e há um ar de esperança e mudança.