Visibilidade Trans: exigimos respeito!

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram

 

29/01/2013 – Nós do Setorial LGBT da CSP – Conlutas queremos nos somar a todas as (os) Travestis e Transexuais (TT´s) do Brasil e construir esta data como um dia de luta importante para nós oprimidos.

Infelizmente, a situação colocada para as (os) TT´S é de muito preconceito, discriminação e violência. Nos últimos 20 anos, quase mil transexuais foram assassinadas no Brasil. Uma a cada 10 dias. De acordo com o GGB (Grupo Gay da Bahia), que contabiliza a morte de LGBT´s anualmente em nosso país, só em 2011 morreram 98. As Travestis e Transexuais representam o grupo mais vulnerável, pois além do número de mortes ser proporcionalmente maior do que o de gays e lésbicas, as mortes são violentas e com requintes de crueldade, incluindo muitas vezes tortura, olhos arrancados, observando-se cada vez mais presente armas de fogo, facadas, espancamento e apedrejamento.

Além desse triste quadro, há o grande problema da aceitação da Transexualidade e a luta quotidiana que essas pessoas enfrentam. O reconhecimento do nome social, a demorada fila para conseguir o acompanhamento para a mudança de sexo no SUS (Sistema Único de Saúde) e a pouca inserção no mercado de trabalho são graves problemas que se somam a realidade de uma transexual.

Para nós da CSP – Conlutas, que construímos a luta dos trabalhadores, é fundamental que toda a sociedade conheça, respeite e ajude no enfretamento do preconceito e da discriminação.

 

Por isso, reivindicamos:

– Garantia do uso do nome social em todos os espaços;

– Registro de nome civil e mudança de gênero nos documentos de forma ágil;

– Fim da patologização das identidades de gênero trans;

– Garantia e ampliação dos procedimentos de transexualização, com acompanhamento psicológico, cirurgia de transgenitalização e distribuição de hormônios gratuitamente pelo SUS, com acompanhamento multiprofissional;

– Política de redução de dados para combater o uso de silicone industrial, oferecendo cirurgias estéticas gratuitamente pelo SUS;

– Políticas públicas que assegurem o ingresso e permanência de travestis e transexuais no mercado de trabalho e nas escolas e universidades;

– Criminalização da transfobia e da homofobia, através da aprovação imediata do PLC-122/06. 

 

FONTE: Setorial LGBT da CSP-Conlutas

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

Věra Chytilová e a Nouvelle Vague Tcheca – Parte 2

Os grandes acontecimentos políticos reverberam nas artes, influenciam e são influenciados pelos artistas. A Nouvelle Vague Tcheca é um exemplo. Foi um movimento de cinema diferente, radical e inseparável da Primavera de Praga, aquele “segundo soberbo”, na definição do escritor Milan Kundera.

Crítica: HOLY SPIDER (Aranha Sagrada)

Pré-selecionado ao Oscar, filme aborda caso real de serial killer que foi celebrado por matar mulheres no Irã. Conhecido como Spider Killer, o assassino acredita estar numa missão espiritual de limpar as ruas do pecado.