Ato dos servidores da Cultura chama a atenção para o desmonte do setor

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram

 

No dia 13 de agosto, entre 11 e 13 horas, os servidores da Cultura (Cinemateca, IPHAN, Museu Lasar Segal e Funarte), realizaram uma manifestação na calçada, em frente à superintendência do IPHAN/SP (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional do Estado de São Paulo).

A atividade contou com o apoio de servidores de outros órgãos, como INCRA, IBAMA e SPU. Durante o ato foi distribuída uma carta à população, explicando o movimento e as reivindicações dos servidores.

O servidor do INCRA, Helton Lucinda, resgatou o debate sobre o acordo assinado entre a Condsef e o governo federal. Segundo ele, o termo de acordo firmado não tem legitimidade, pois boa parte dos servidores sequer tomou conhecimento daquela proposta.

Os trabalhadores externaram a indignação com as políticas do governo de Dilma Rousseff. Os bonecos de Dilmá, Du Vai Doer e Belpior chamavam a atenção da população. Muitos paravam para ouvir e apoiar a manifestação.

Ricardo Reis, servidor do IPHAN, lembrou que esta luta não é só por aumento salarial, mas também para reverter o quadro de sucateamento do setor. “E nesta luta a contribuição da sociedade é muito importante”, lembrou.

Sobre o protocolo de intenções assinado pelo Planejamento, para discutir as demandas da categoria “É necessário ficar alerta e manter as mobilizações” disse ele.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

Cartão do Dia dos Aposentados

Feliz Dia dos Aposentados

O Sindsef-SP parabeniza os aposentados e as aposentadas pelo seu dia e reafirma seu compromisso na luta por paridade entre ativos, aposentados e pensionistas, pelo cumprimento do Estatuto do Idoso, contra os ataques à previdência e pela recomposição salarial.

Crítica: filme Noites de Paris

Nesta crítica, saiba sobre o filme Noites de Paris, que se passa em 1981. No ano de eleições, comemorações se espalham pelas ruas e há um ar de esperança e mudança.