Deu na Mídia…

COMPARTILHE

Compartilhe emfacebook
Compartilhe emtwitter
Compartilhe emwhatsapp
Compartilhe emtelegram

Cerca de 10 mil servidores federais interditam a Esplanada dos Ministérios

Correio Braziliense
Publicação: 18/07/2012 11:47 Atualização: 18/07/2012 12:15

 

 

 

Depois de bloquear as seis faixas na Esplanada dos Ministérios, no trecho entre a Catedral e o Congresso Nacional, a marcha com cerca de 10 mil servidores federais está interditando, agora, o outro lado do Eixo Monumental, dessa vez no sentido Palácio do Planalto. Os servidores estão parados nos arredores do Ministério do Planejamento fechando quatro faixas da via. No momento duas faixas estão liberadas para a circulação dos veículos.

A decisão de interditar o trecho foi tomada depois de uma discussão ríspida entre os líderes dos servidores e a Polícia Militar, que não queria liberar a passagem para os manifestantes. Depois de mais de 15 minutos de negociação, a faixa no sentido Congresso foi liberada, mas agora o novo bloqueio deve complicar ainda mais o trânsito no local.

A marcha começou por volta das 10h, na altura da Catedral. Os manifestantes estavam acampados no gramado central da Esplanada desde segunda-feira (16/7).

Os servidores vieram de diversas partes do país e reivindicam um aumento de 22%,  além da igualdade dos contracheques dos aposentados com os dos trabalhadores ativos. 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Notícias

Curtas Jornadas Noite Adentro

Vale a pena conferir o longa Curtas Jornadas Noite Adentro, de Thiago B. Mendonça, que estará disponível na plataforma on-line do Sesc até 25.02.2023.

Věra Chytilová e a Nouvelle Vague Tcheca – Parte 2

Os grandes acontecimentos políticos reverberam nas artes, influenciam e são influenciados pelos artistas. A Nouvelle Vague Tcheca é um exemplo. Foi um movimento de cinema diferente, radical e inseparável da Primavera de Praga, aquele “segundo soberbo”, na definição do escritor Milan Kundera.

Crítica: HOLY SPIDER (Aranha Sagrada)

Pré-selecionado ao Oscar, filme aborda caso real de serial killer que foi celebrado por matar mulheres no Irã. Conhecido como Spider Killer, o assassino acredita estar numa missão espiritual de limpar as ruas do pecado.